A Esquerda Faz Fake News Sobre as Fake News

Movimentos, partidos e personalidades da esquerda tem abusado do argumento de que o cenário político brasileiro é pautado por fake news. Portanto ocorrências como a perda da popularidade do PT, o impeachment da presidente Dilma e a eleição de Jair Bolsonaro teriam sido causadas por mentiras como a da mamadeira de piroca, que segundo influenciadores de esquerda é a principal razão para a derrota do partido nas eleições.

A tentativa de emplacar essa narrativa de que tudo é culpa das fake news é pregada inclusive no exterior. A cineasta Petra Costa apareceu poucos dias atrás em um programa de TV americano dizendo que Bolsonaro foi eleito por causa de uma notícia falsa ligando Fernando Haddad ao satanismo. E devido a falta de informações e a influenciadores progressistas ligados à esquerda essa narrativa tem se tornado popular no primeiro mundo onde Lula e seu partido ainda tem algum prestígio. É importante lembrar que o partido de Lula causo uma inflação de dois dígitos no Brasil e não na França ou na Alemanha onde seu nome ainda é venerado principalmente por uma juventude idealista e alienada.

Em sua entrevista Petra costa além de falar sobre as fake news, ainda produziu suas próprias mentiras, dizendo que Bolsonaro está transformando a Amazônia em uma savana. Parece que para a cineasta um bioma de savana nada mais é que uma floresta tropical que pegou fogo, seria desrespeito com a paisagem africana?

Petra também disse em seu Twitter que existe no Brasil uma campanha de mentiras sendo bancada por empresários ricos. Talvez os empresários ricos sejam da construtora Andrade Gutierrez da qual Petra Costa é herdeira, e as mentiras estejam sendo contadas em um certo filme repleto de fraudes distorções da realidade e até edições descaradas de documentos históricos, como é o caso da foto em que guerrilheiros tiveram suas armas removidas para serem retratados como vítimas e não como terroristas.

Apesar de estar em evidência nos últimos dias Petra Costa não é a primeira personalidade da esquerda a visitar o exterior contando mentiras a respeito do Brasil. Todos devem se lembrar que Jean Wyllys renunciou ao seu mandato de deputado federal alegando uma perseguição política que nunca foi comprovada para então sair do país e passear pela Europa contando uma infinidade de mentiras a respeito daquilo que acontece no cenário político do Brasil.

Além da narrativa sobre as fake news servir como um ataque para deslegitimar conservadores e liberais no debate público, ela tem também um efeito de conforto dentro da própria esquerda. É mais confortável para a militância do PT acreditar que a Dilma foi derrubada por notícias falsas envolvendo um kit gay e a presidente lanchando um pombo do que pelos dados reais de inflação e desemprego que bateram recordes na época do impeachment. É mais cômodo acreditar que a população foi enganada por uma história de mamadeira de piroca sendo distribuída para crianças, do que aceitar a realidade de que as pessoas não votaram em Fernando Haddad pois ele atuava como um títere de um presidiário condenado por um esquema bilionário de corrupção.

Claro que a prática de taxar todas as críticas como fake news não é prerrogativa exclusiva da esquerda, e vemos cada vez mais pessoas ligadas ao governo pregando esse tipo de narrativa contra seus opositores. No final quem perde são aqueles que buscam um debate racional num ambiente em que falar de kit gay para crianças ou acusar evangélicos de quererem exterminar os negros atrai muito mais likes e menções do que falar em dados e problemas reais.